Recém-nascido usa RN ou P?

Esse é um grande dilema para as mães de primeira viagem e porque não, as experientes também. Quando estamos chegando na reta final da gestação, começamos arrumar a mala do hospital e deixar tudo preparado para não correr o risco de num imprevisto não ter o que levar para a maternidade (quem não conhece alguém que passou por isso?).

Fazendo o check-list, entre os itens estão as roupas das primeiras trocas e a saída de maternidade. E a dúvida que bate é qual tamanho comprar para nosso baby? Então vem aquela enxurrada de opiniões, dicas e aquelas falas “uma amiga minha me disse…” Há ainda o fator psicológico dos pais, que intrinsecamente “torcem” para que o bebê nasça grande e não sirva o tamanho RN, e com orgulho, contam para os familiares, amigos, e para as visitas tal feito. Funciona como mérito da saúde nascer grande. Ainda, aquelas visitas que dizem “nossa, como nasceu grande seu bebê!”. E o sorriso vem largo!

É claro que a genética tem papel fundamental no tamanho do bebê, mas as condições maternas, como nutrição, estado da placenta, doenças, como diabetes e hipertensão, uso de drogas ou tabagismo durante a gestação, entre outros, também exercem influência nas medidas do bebê.

Recém-nascidos com mais de 4 quilos são considerados macrossômicos e, em geral, os principais fatores que levam ao peso elevado seriam a obesidade da mãe e o diabetes gestacional. Esses bebês merecem atenção na maternidade e precisam de monitoramento frequente nas primeiras horas de vida, já que podem ter hipoglicemia, que é uma queda de açúcar no sangue. E o risco vai além: obesidade infantil, desenvolvimento de hipertensão arterial e diabetes, além de doenças vasculares crônicas podem surgir a médio e longo prazo em bebês que nascem grandes demais. Esse caso é a exceção e não a regra!

Fatores de classificações do recém-nascido

Classificação segundo a idade gestacional (IG):

O termo serve para quantificar o tempo, em semanas ou dias completos, passados o início da última menstruação da mulher gestante. Também há duas outras formas de calculá-la: através do exame de ultrassonografia ou físico, realizado pelo pediatra. Neste caso, o recém-nascido pode ser considerado:

  • A termo: Com uma idade gestacional que varia de 37 a 41 semanas e 6 dias;
  • Pré-termo: Com uma idade gestacional inferior a 37 semanas;
  • Pós-termo: Com uma idade gestacional igual ou superior a 42 semanas;

Classificação de acordo com o peso do bebê:

  • Extremamente baixo: inferior a 999g
  • Muito baixo: De 1.000g a 1.499g;
  • Baixo: De 1.500g a 2.499g;
  • Insuficiente: De 2.500g a 2.999g;
  • Normal: De 3.000g a 3.999g;
  • Excessivo: Superior a 3.999g;

Classificação de peso versus idade gestacional:

  • Pequeno para a Idade Gestacional (PIG): Recém-nascido com peso menor do que 2.500g;
  • Adequado para a Idade Gestacional (AIG): Recém-nascido com peso entre 2.500g a 3.999g;
  • Grande para a Idade Gestacional (GIG): Recém-nascido com o peso maior do que 4.000g;

Tendo uma gestação acompanhada adequadamente pelo médico obstetra e nas condições normais de gestação, um bebê normal pesará entre 2.000g a 3.999g e ter entre 45 e 51 cm de tamanho. Com estas medidas, o bebê usará o tamanho RN, com certeza, e por mais de 3 semanas permanecerá com este manequim, considerando ainda que ao sair da maternidade, o bebê poderá perder cerca de 10% do peso registrado no nascimento, o que é normal.

A ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas lançou em 2010 a NBR 15.800 contendo a tabela de medidas para a indústria têxtil usar como parâmetro para determinar o tamanho dos produtos, na tentativa de que todas as marcas tenham o mínimo de diferença entre os produtos. A Karizi Baby de forma responsável, considera a NBR 15.800 na elaboração de seus produtos. Confira a tabela a seguir:

Importante acompanhar as medidas da curva de crescimento durante o pré natal do bebê, que faz uma previsão do tamanho e peso de nascimento, com grau de precisão considerável. Assim, a definição de qual medida de roupa comprar para os primeiros dias de vida se tornam mais assertivas.

 

Fontes: Revista Crescer; Danone Baby e Karizi Baby

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *